Logotipo R10
 “COMO O PAI ME ENVIOU TAMBÉM EU VOS ENVIO.” II DOMINGO DA PÁSCOA-MISERICÓRDIA.

“COMO O PAI ME ENVIOU TAMBÉM EU VOS ENVIO.”

II DOMINGO DA PÁSCOA - DOMINGO DA DIVINA MISERICÓRDIA.

Evangelho de Jo20,19-31

Neste Segundo Domingo da Páscoa, escolhido pela Igreja, como o DOMINGO DA DIVINA MISERICÓRDIA, somos chamados a renovar a nossa fé mediante a Jesus  Ressuscitado, tornando-nos misericordiosos uns para com os outros, como Ele é misericordioso para conosco.

A misericórdia foi a centralidade da vida de Jesus! Todas as suas palavras e ações expressam misericórdia! 

Misericórdia e perdão, são duas palavras diferentes, mas na vida, elas estão entrelaçadas, pois não existe perdão sem misericórdia e nem misericórdia sem perdão.

“A liturgia de hoje, nos apresenta a comunidade de Homens Novos, que nasce da cruz e da ressurreição de Jesus, que é a Igreja! A missão da Igreja consiste em revelar aos homens a vida nova que brota da ressurreição”.

“A paz esteja convosco.” Depois de dizer estas palavras para os discípulos, Jesus sopra sobre eles o Espírito Santo, foi  partir daí, que  eles se livraram do medo que os mantinha presos! A paz do Cristo Ressuscitado, não os isentou da cruz, mas ofereceu a eles força e coragem para assumirem o desafio da missão.

Ao soprar o Espírito Santo sobre os discípulos, Jesus faz recordar o sopro de Deus que deu vida a criatura humana, gesto que Ele repete como início de uma nova criação!

“Recebei o Espírito Santo. A quem perdoardes os pecados, eles lhe serão perdoados; a quem não perdoardes, eles lhe serão retidos”.

Jesus concede o poder de perdoar ou não perdoar os pecados, a um grupo específico de pessoas, que eram os apóstolos e  que hoje, são os sacerdotes,os padres.

É Deus quem tem o poder de perdoar pecados, Jesus recebe este poder  do Pai, e  o concede à sua Igreja através dos apóstolos. Trata-se do sacramento da reconciliação.

É importante entendermos, que “pecados retidos” não significa uma condenação, e sim, um renovado apelo a conversão!

No sopro do Espírito Santo sobre os apóstolos, é expressa a criação renovada! É o Espírito Santo que recria a comunidade dos apóstolos e descerra suas portas para a missão!

Os apóstolos, só conseguiram tomar atitudes corajosas para anunciar o evangelho, depois que receberam o Espírito Santo!

O Texto nos fala também da incredulidade de Tomé. Muitos de nós, não damos importância a Tomé, o vemos apenas como um homem sem fé, já que o próprio Jesus o exortou dizendo: “Não sejas incrédulo, mas fiel”! Além do mais, ele não aderiu a fé quando os discípulos atestaram que haviam visto Jesus, Tomé não acreditou no testemunho deles, pretendendo uma constatação pessoal. Esta postura de Tomé simboliza todos os que precisam ver para crer. 

Tomé teve de fato, um vacilo na fé, mas depois  do seu encontro com o Cristo Ressuscitado ele fez a belíssima profissão de fé: “MEU SENHOR E MEU DEUS!” Profissão de fé, que muitos de nós, fazemos nas celebrações Eucarísticas.

 “Bem-aventurados os que creram sem terem visto”. Mesmo antes da nossa existência, já estávamos incluídos nesta Bem aventurança, ou seja, somos felizes porque cremos na ressurreição de Cristo sem ter visto!

Com a ressurreição de Jesus, a vida divina entrou na vida humana e assim como as sementes espalhadas pelo vento, o anúncio da ressurreição de Jesus se espalhou por todos os rincões da terra, como fagulhas de fogo a  incendiar o coração da humanidade.